Billy (6 anos) - Adotante: Flávia
Billy foi ADOTADO em Fevereiro/15, após ter vivido quase 3 anos morando no abrigo.

Por que adotar um cão adulto?
Porque eles são maravilhosos! Só por isso! Mesmo!
Os cães já nascem amando incondicionalmente qualquer pessoa que lhes cruze o caminho. É o amor mais puro e desastrado que existe, apaixonante! Alguns têm a sorte de ter alguém que lhes retribua esse amor desde que são filhotes. Esses sim são uns sortudos! E pros donos, quer presente maior do que ver crescer a seu lado uma criatura tão pura?
Mas outros...não têm essa mesma sorte...alguns, por alguma razão, têm seus caminhos cruzados por pessoas que têm muito a aprender com os cães. Por que? Porque um cachorro jamais abandonaria ou maltrataria um ser ‘inferior’ por qualquer razão (até mesmo porque não existe razão para essas atrocidades). E aí temos os cães adultos que não têm o carisma dos filhotes nas feirinhas de adoção, mas que guardam dentro de si um amor tão puro quanto. E eu diria que é um amor mais do que especial, porque, mesmo depois de tudo o que passaram (e quase nunca vamos saber ao certo o que/quanto sofreram), ainda são capazes de amar e confiar na mesma espécie que os feriu. Pense bem, um ser humano seria verdadeiramente capaz disso?
O meu Billy (Billycreisson para os íntimos) eu vi numa foto na Internet, pesquisando cães para adoção. Foi amor à primeira vista! Ou à primeira foto...aquela cara de creisson me ganhou e eu fui conhece-lo. Onde ele estava tinha outros cachorros, tão lindos e especiais quanto meu Billy (se eu pudesse ficaria com todos), mas acho que ele era pra ser meu. Ou eu dele...
A sua história a gente conhece a partir dos seus 3 aninhos, que foi quando ele foi resgatado numa construção lá em Pirituba. Estava magro, triste e, pelo visto, abandonado. Os anjos que o resgataram lhe deram banho, alimento, castraram e vacinaram. Dos 3 aos 6 anos, Billy ficou entre idas e vindas das feiras de adoção. Por alguma razão ele era sempre a alegria das feirinhas, mas nunca ninguém o adotou. Na verdade eu sei qual era essa razão: é porque ele era pra ser meu!
E desde então eu tenho conhecido diariamente o que é amor e gratidão! Billy ainda tem alguns traumas (não deixa pegar no colo, tem pavor de corrente, não gosta que o apertem), mas com todo amor e respeito que tenho por ele, a gente vai se conhecendo e se permitindo. Hoje ele faz festa (ao modo dele) quando chego do trabalho (ou da padaria), deixa eu abraça-lo e beijar sua bochecha, sua cabeça, sua barriga (coitado, sou muito ‘Felícia’, na verdade ele agradece quando saio pra trabalhar e dou um tempo hahaha), nos dias em que ele está ‘apaixonado’ por mim ele me dá lambidas e mordidinhas de carinho! E tem dias também que ele não tá nem aí pra mim não (mas sempre muito educado! No máximo, me olha com uma cara de ‘não sou obrigado, mamãe’. E ele não é mesmo rs). Hoje ele já me chama pra brincar com seus brinquedos (que ele nem chegava perto quando foi adotado), já arrisca umas latidas e já deixou bem claro pra mim que não quer fazer selfie (acho que exagerei tirando fotos dele e agora quando ele vê eu mirando o celular...já sai de perto hahaha). Uma coisa que Billy tem de sobra é personalidade!
A gente passeia duas vezes por dia, de manhã e à noite, que é quando ele faz seu xixi e seu cocô, este último de preferência em alguma moitinha. Muito educado esse meu filho! E agora ele também quer fazer amizade com tudo que é cachorro na rua (ele que, antes, não era disso) e também tem pedido carinho pras pessoas (de vez em quando dá umas mordidinhas que é pra não cair na rotina, mas todo mundo entende que ele ainda se assusta um pouco). Em resumo: a gente se diverte e já não vive mais um sem o outro! Eu volto do trabalho louca pra abrir a porta e agarrar ele. E ele, ao ouvir meus passos vindo do elevador, já corre pra porta pra me esperar. Esse barulho das patinhas indo pra porta me mata de amor! E aí eu chego em casa e tá tudo em ordem, no máximo um sofá bagunçado, mas nada destruído nem mijado (eis uma diferença entre adultos x filhotes). E a cada dia a gente se ama mais, a gente se permite mais e ele vai deixando seus traumas no passado, me retribuindo com uma vida muito mais feliz e colorida. Você ainda quer saber por que adotar um cão adulto?!

Depoimento enviado em: 21/06/2015